Categoria: Intranet

Postagens com apresentação na Intranet da SBA

Os direitos dos idosos e os deveres da sociedade

Os integrantes da terceira idade, ou seja, as pessoas com mais de 60 anos, possuem os mesmos direitos que todos os cidadãos, acrescidos de alguns específicos por conta da fase especial de vida em que se encontram.

O Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) especifica os cuidados que todos nós, como sociedade e também os familiares, devemos ter para garantir uma proteção e segurança especial. Afinal, as pessoas precisam se sentir amadas, acolhidas e com a autonomia preservada para realizarem suas atividades e garantirem seu bem-estar.

No artigo de hoje vamos citar alguns exemplos dos direitos na terceira idade e os deveres da sociedade, baseados e interpretados perante a lei.

Os nossos deveres como sociedade

Em primeiro lugar, vamos falar sobre os nossos deveres para garantir a qualidade de vida para os membros da terceira idade.

Cuidar de pais que estão na terceira idade, mesmo que eles vivam sozinhos, em uma instituição de longa permanência ou na casa de algum familiar, é uma responsabilidade dos filhos. Se esse é o seu caso e se tiver irmãos, então passa a ser responsabilidade de todos vocês garantirem o bem-estar físico e mental deles. Pode não ser uma tarefa fácil, principalmente quando cada um dos filhos já tenha suas respectivas famílias. Nesse e em todos os outros casos, a chave do sucesso é a comunicação.

A comunicação deve ser aberta entre todos os irmãos, ou seja, nada deve ser decidido ou feito sem todos serem informados. É preciso decidir como as despesas serão divididas, as tarefas repartidas e como oferecer apoio emocional das pessoas que estão na terceira idade na família. Esse é mais que um dever, é um gesto de gratidão e solidariedade.

Ao Estado, compete assegurar tudo o que for necessário para que a terceira idade tenha acesso à alimentação adequada, ao lazer, à educação, à previdência social e a outros benefícios, além da garantia de que todos os direitos sejam plenamente respeitados.

E é dever de todos, de forma igual, a não submissão das pessoas idosas a situações de constrangimento, abuso ou violência de qualquer espécie. Incumbe a cada um e a todos o respeito, o cuidado e a garantia da segurança na terceira idade, para que vivam essa fase da vida com respeito, dignidade e felicidade.

Os direitos assegurados no Estatuto do Idoso

Vamos elencar abaixo os principais direitos na terceira idade que estão assegurados em lei:

  • A terceira idade têm o direito de ser cuidada e atendida pela própria família, em detrimento à internação em uma instituição de longa permanência (com exceção de quem não possui ou carece de condições de manutenção da própria sobrevivência).
  • Direito de receber gratuitamente do poder público medicamentos e outros recursos referentes ao tratamento de saúde.
  • A terceira idade têm o direito de não ser discriminada nos planos de saúde pela cobrança de valores diferenciados por conta da idade (isto é, as operadoras não podem continuar reajustando o valor dos planos em idosos por conta da idade).
  • Eles têm prioridade no atendimento em qualquer órgão público ou privado que preste atendimento à população.
  • Direito ao acesso à assistência social e à rede pública de saúde.
  • A terceira idade têm direito à prioridade no recebimento da restituição do Imposto de Renda. Além disso, caso seja portador de alguma doença grave, tem direito à isenção (consulte a lista das doenças no site da Receita Federal).
  • Em alguns municípios, como São Paulo, quem está na terceira idade também têm direito à isenção do IPTU.
  • Em caso de concurso público, o primeiro critério de desempate deverá ser a idade, sendo beneficiadas as pessoas com idade mais avançada.
  • A terceira idade têm direito a desconto de pelo menos 50% nos ingressos de espetáculos, shows, cinema e qualquer outra apresentação artística, além de eventos esportivos.
  • Eles também têm prioridade na aquisição da casa própria nos programas habitacionais do governo.
  • Quanto ao serviço de transporte coletivo urbano e semiurbano, têm direito à gratuidade. Em viagens interestaduais, duas vagas gratuitas são garantidas e, depois de preenchidas, será garantido o desconto de pelo menos 50% no valor da passagem para quem possua renda de até dois salários-mínimos.
  • 5% das vagas em estacionamentos públicos e privados devem ser reservadas para motoristas idosos, com localização de fácil acesso.
  • A terceira idade têm o direito de receber pensão alimentícia da família (filhos, netos etc.) caso não tenha condições de se sustentar. Caso a família também não tenha condições, é assegurado o benefício mensal de um salário-mínimo, nos termos da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas).

Todos esses direitos da terceira idade e os deveres da sociedade devem ser colocados diariamente em prática, até mesmo nos pequenos gestos. Então, comece analisando a situação de sua própria família: seus entes queridos da terceira idade estão com os direitos plenamente seguros? Eles estão felizes, saudáveis e ativos? Se ainda falta algum ponto a ser corrigido, comece a mudança hoje mesmo!

Para te ajudar, o SBA Residencial oferece muitas informações sobre o universo da terceira idade para você e sua família. Baixe este material especialmente criado e saiba mais sobre como lidar com a importante decisão de optar por uma instituição de longa permanência.

Adaptar-se à terceira idade garante mais qualidade de vida

Durante muito tempo existiram pensamentos preestabelecidos sobre como as pessoas mais velhas deveriam viver – em casa ou cuidando dos netos – atualmente, nota-se uma mudança considerável nesta postura e uma busca por qualidade de vida.

Ter saúde é o maior desejo de todas as pessoas e na terceira idade isso é ainda mais importante. No entanto, isso não é e nem deve ser tudo. Relações sociais, viagens, lazer, descobertas e até mesmo poder realizar as atividades cotidianas normais fazem parte da adaptação de uma nova geração vivendo a terceira idade.

 

Adaptar-se ao envelhecimento é fundamental, e para isso, é preciso estar atento a alguns aspectos comportamentais.

 

Vença o medo

 

Durante a juventude, as pessoas são encorajadas a sair de casa, experimentar e explorar o mundo. A medida que os anos vão passando, essa postura vai mudando até se reverter. Na terceira idade, muitas pessoas costumam ser desencorajadas a continuar vivendo de maneira ativa, o que desperta a insegurança e o medo.

 

Envelhecer exige adaptações e alguns cuidados que antes não eram precisos. Contudo, isso não significa ficar em casa, com medo de sair, passear ou viajar. Pelo contrário, para se adaptar é preciso enfrentar o medo e descobrir novas maneiras de ser feliz.

 

Adapte-se às mudanças

 

Durante a vida toda, as pessoas precisam se adaptar e na terceira idade não é diferente. Uma dor na lombar, o joelho um pouco mais sensível, a diminuição na força… Aos poucos o corpo começa a dar sinal do passar do tempo. No entanto, ao invés de parar e se entregar a essas mudanças, adapte-se.

 

O físico pode já não responder tão rápido, mas mantê-lo ativo é um dos segredos neste processo. Faça atividades físicas que garantam o fortalecimento, a elasticidade, assim como a concentração e a memória. Respeite os limites do seu corpo, mas procure vencer as suas dificuldades de maneira progressiva.

 

Expresse os seus sentimentos

 

Outro grande equívoco em relação aos idosos é o fato de muitas pessoas acharem que com o avançar da idade já não há porque expressar os sentimentos. Para manter a qualidade de vida é preciso esquecer já essa ideia. Manifestar as emoções é importante em qualquer idade da vida. Falar aquilo que lhe faz bem, o que faz mal, o que lhe deixa feliz, animado e entusiasmado é parte natural e faz com que as pessoas se sintam vivas e ativas na sociedade.

 

Faça planos

“Já estou muito velho para sonhar”. É provável que já tenha ouvido essa frase de alguma pessoa mais velha. Se adaptar a um novo ritmo de vida, as novas demandas do corpo e da mente, não significa parar de planejar e realizar novos sonhos.

Hoje em dia, existem muitos grupos dedicados a promover atividades e criar maneiras de melhorar a qualidade de vida a população. Escolas de dança, cursos de idiomas, universidades exclusivas e grupo de viagens são algumas das opções que permitem que a terceira idade continue sonhando e vivendo a vida de forma plena. Além disso, o contato social faz toda a diferença neste processo de adaptação que garante mais qualidade de vida na terceira idade.

 

Mantenha as atividades cotidianas

 

Por uma questão cultural, ainda é muito comum as pessoas se assustarem quando ouvem de alguém de mais idade que ele vive sozinho. Porém, o avanço da idade não significa o fim da independência. É importante que as pessoas continuem levando a vida normalmente, realizando tarefas cotidianas sozinhas.

 

Uma das formas de garantir a qualidade de vida da população na terceira idade é fazendo com que as pessoas continuem se sentindo integradas na sociedade. Com as atitudes listadas, torna-se muito mais fácil adaptar-se a nova realidade, sem abrir mão dos prazeres e das coisas boas da vida.

 

O SBA Residencial respeita a autonomia e estilo de vida de cada morador. Começamos na personalização da residência escolhida, pois o novo morador pode trazer sua mobília. Além disso, ele é incentivado a manter suas atividades corriqueiras, que realizava fora do condomínio, e participar de eventos especiais, festas e passeios.

 

Confira outros conteúdos exclusivos do blog do SBA Residencial e descubra diferentes maneiras de viver a terceira idade com total qualidade de vida e saúde.

 

Se interessou? baixe o e-book Envelhecimento Saudável e saiba mais!

Dicas para prevenir fraturas na terceira idade

Os cuidados preventivos para evitar a incidência de fraturas na terceira idade são formas de diminuir estatísticas preocupantes no Brasil.

Segundo dados divulgados em 2014 pelo Ministério da Saúde, o SUS (Sistema Único de Saúde) registra mais de R$ 51 milhões por ano com o tratamento de fraturas. E 75% das lesões sofridas por pessoas acima dos 60 anos são de origem doméstica.

Se a queda é um problema comum, as formas de preveni-la também são, e vão desde os cuidados com a saúde dos idosos, até a mudança e adaptação de alguns cômodos e objetos da casa onde eles vivem.

Portanto, o artigo de hoje tem como objetivo lhe orientar sobre os cuidados preventivos que você pode tomar para prevenir fraturas e lesões nos integrantes da terceira idade de sua família.

 

Cuide da saúde do idoso e oriente-o a se cuidar

 

Antes de tudo, a saúde do idoso precisa estar em dia para que ele tenha uma qualidade de vida melhor e se sinta mais disposto e com mais força para se movimentar.

Saúde em dia não significa necessariamente a cura de doenças, mas o devido controle delas, garantindo a manutenção do bem-estar.

Por isso, alguns cuidados preventivos com a saúde devem ser observados, tais como:

  • A realização de exames de rotina para verificar a saúde dos olhos, dos ossos e as taxas de vitaminas e ferro no organismo, evitando-se anemias, fraquezas musculares e ósseas e problemas de visão que podem ocasionar acidentes domésticos;
  • Ter uma alimentação adequada e com a suplementação correta – indicada por um médico, caso seja necessário;
  • Realizar atividades físicas para garantir o equilíbrio corporal e a força muscular para se locomover adequadamente;
  • Dar uma atenção especial ao uso dos medicamentos. O ideal é ter recipientes próprios para prepará-los e armazená-los com antecedência, evitando-se a ingestão de doses erradas;
  • Orientar o idoso para que ele use roupas leves, confortáveis, evite o uso somente de meias e que alguém sempre verifique se os sapatos são corretos, sem cadarço, sem saltos e sola de borracha.

 

Disponibilize equipamentos de auxílio

 

Os idosos que necessitarem de auxílio para locomoção devem ser prontamente atendidos. Portanto, avalie a necessidade do uso de bengalas, cadeiras de rodas e andadores.

Também considere adquirir um equipamento chamado “pegador de objetos para idosos”. Com um preço acessível, ele permite que o idoso alcance objetos em lugares altos (prevenindo a subida em cadeiras e escadas), objetos no chão (prevenindo movimentos bruscos de coluna) e objetos distantes.

Instale equipamentos que contribuem para a segurança na casa

 

Muitas quedas e consequentes fraturas podem ser prevenidas com algumas instalações na casa onde vive o idoso, para que ele se sinta mais protegido e independente para a realização de suas atividades cotidianas.

Algumas dicas:

  • Instale corrimãos nas paredes da casa e também nas escadas para facilitar a locomoção do idoso e servir como uma ajuda caso ele se desequilibre por algum motivo;
  • Conserte os desníveis no chão ou nas escadas;
  • Troque ou acrescente rampas nas escadas;
  • Coloque luzes com sensor de movimento para que o idoso possa se locomover com segurança à noite;
  • Instale torneiras com alavanca na cozinha para facilitar o manuseio;
  • Instale trancas que abrem por dentro e por fora, além de maçanetas de alavanca;
  • Eleve a altura do vaso sanitário com assentos específicos de alturas variadas;
  • Instale barras de apoio laterais nos banheiros;
  • Coloque piso antiderrapante, principalmente no box do banheiro;
  • Adapte o quarto do idoso para o primeiro andar da casa, caso ela tenha mais de um andar.

Adapte a decoração da casa

 

A decoração da casa deve estar condizente com a segurança e a facilidade de locomoção de todos os moradores, principalmente as crianças e os idosos.

Em relação ao piso, evite tapetes e carpetes, principalmente próximos a escadas.

No quarto, verifique se a cama do idoso está na altura correta, ou seja, se ele consegue se sentar na beirada e tocar os pés no solo com facilidade. Também deixe uma luminária na cabeceira da cama, de fácil acesso para ligá-la.

Quanto aos armários, eles devem ficar numa altura que facilite o acesso, tendo gavetas fáceis de serem abertas. De preferência utilize pratos de plástico e copos inquebráveis. Troque as panelas pelas de alças nas duas laterais para distribuir o peso.

Por último, evite fios soltos e espalhados pela casa e mantenha o piso limpo e bem seco.

Ficando atento e colocando em prática esses cuidados preventivos, você zelará pela saúde e o bem-estar do idoso, prevenindo quedas e possíveis fraturas que possam limitar a qualidade de vida deles.

 

Quer saber mais como viver melhor a terceira idade? Baixe agora o nosso e-book “Hora de Decidir”, tire todas as suas dúvidas e veja como é possível viver com mais segurança e qualidade de vida.

 

Depressão e alimentação: como se correlacionam?

A depressão é uma doença que não pode ser negligenciada, pois quando ela não é tratada, pode causar sérios efeitos colaterais, entre eles, a diminuição dos prazeres da vida – o que inclui a alimentação. Além disso, a doença pode piorar outras condições clínicas do idoso, comprometendo sua imunidade.

Nesse sentido, pessoas mais velhas que sofrem desse mal devem ser acompanhados por um nutricionista ou médico nutrólogo, que indicará a melhor forma de se recuperar a saúde com a alimentação. No SBA Residencial, todos os moradores possuem uma alimentação balanceada e adequada para as necessidades nutricionais de cada um.

A inclusão de alguns alimentos no cardápio da pessoa são mais que necessários para a recuperação de sua vitalidade física, e no artigo de hoje traremos algumas dicas sobre eles. Acompanhe.

Frutas, vegetais e temperos

Alimentação rica em vegetais, temperos variados e frutas contribui para a ingestão de vitaminas, fibras e antioxidantes, que preservam e protegem a estrutura celular do cérebro e o metabolismo.

Vegetais verde escuros e os cereais integrais, ricos em vitaminas do complexo B, também apresentam um efeito muito positivo na saúde cerebral e neurológica.

Vitamina B12

A vitamina B12 pode ser encontrada em fontes de origem animal, como bifes de fígado cozido, fígado de frango e alguns peixes e crustáceos, como o caranguejo. Mas como a absorção desses tipos de alimentos costuma depender de fatores fisiológicos, pode haver a necessidade de suplementação, para que não prejudique a digestão do idoso.

Vitamina D

A vitamina D é extremamente importante para a saúde do cérebro e como ela é produzida pelo corpo quando nos expomos ao sol, grande parte da população atual sofre de deficiência dessa vitamina.

Portanto, além da necessidade de tomar sol diariamente (com o devido cuidado e no horário correto), existem alimentos que também contêm essa vitamina D, como leite, ovos, fígado de boi e de frango. Além disso, ela também pode ser suplementada.

Ômega 3

Ômega 3 são ácidos graxos que combatem a depressão, o diabetes e a obesidade.

É conhecida como a gordura aliada do coração e do cérebro.

Como o organismo não consegue produzi-los, eles devem ser ingeridos por alimentação e essas gorduras passam a ter uma função nobre por serem responsáveis pela elaboração da camada lipídica em torno da célula, ajudando em seu funcionamento. Esses lipídeos também agem na formação de um dos componentes dos neurônios e no recobrimento da retina ocular.

Encontramos o ômega 3 no atum e no salmão, por exemplo. Mas como sabemos que o salmão que consumimos no Brasil é criado em cativeiro e possui alimentação artificial, o ideal é substituí-lo por crustáceos, moluscos, cavala, arenque e a truta – além da sardinha, natural ou enlatada preferencialmente em água e sal. Suplementos de ômega 3 também podem ser usados na dieta.

Alimentos probióticos

Estimular o funcionamento do intestino (que está diretamente ligado ao cérebro, e, portanto, à sensação de bem-estar), é um dos benefícios oferecidos pelos probióticos, que são bactérias do bem mantidas vivas durante o processo de digestão.

Os probióticos ajudam a recompor a microbiota, prevenindo infecções intestinais e reforçando as defesas do organismo, além de diminuírem o colesterol ruim e aumentarem a absorção das vitaminas do complexo B. Além do iogurte, encontramos os probióticos em alimentos como:

  • Queijo e coalhada: é importante conferir no rótulo se eles são enriquecidos com probióticos.
  • Kefir: bebida fermentada com até 15 tipos diferentes de lactobacilos.
  • Leite fermentado: tipo Yakult e Actimel, por conterem lactobacilos.
  • Missô: pasta fermentada de soja que é muito utilizada na culinária japonesa.

Para finalizar, é sempre importante lembrar: a depressão é uma doença que deve ser tratada por um médico. A inclusão de uma alimentação equilibrada auxilia, mas não substitui o tratamento.

Falando nesse tema, o SBA Residencial – Sociedade Beneficente Alemã – apoia o processo de envelhecimento saudável de seus moradores e oferece a eles uma alimentação balanceada e supervisionada por uma equipe de profissionais responsáveis pela elaboração das refeições e dietas especiais, tudo de acordo com a prescrição médica de cada morador.

Se você quer conhecer mais sobre todos os projetos que desenvolvemos no SBA Residencial, entre em contato e marque uma visita!